quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Pessoas Vale a Pena Ver de Novo

Evidentemente sempre temos aquela pessoa que queremos um grande bem, que é constante ou não em nosso convívio, a qual sempre queremos próximo. Mas não é sobre isso que se refere o título.
Provavelmente você conhece ou já conheceu algum indivíduo que vive sob o lema “Vale a pena ver de novo”. São aquelas pessoas que não se desapegam facilmente (ou até dificilmente) de algo, elas remoem, falam, repetem e ficam naquele processo circular que chega ao ponto de tornar incomodo para quem está ao lado.
Claro que todos já tivemos um momento de apego ou que é de difícil superação, mas as pessoas vale a pena ver de novo, não. Creio que elas tomam certo gosto pela coisa, sabe? Como do tipo que te faz ouvir aquela música favorita umas dez vezes seguidas. É um hobby, praticamente uma arte. Arte sim, com certeza. Pois não é qualquer um que tem habilidade para entender e realizar esse feito com tamanha presteza, dia após dia, sempre a repetir as mesmas lamentações ou realizações sem cair na tentação de ousar algo novo. E é uma arte justa, pois independe do gênero, idade ou classe social. Tem que ser muito talentoso para tirar proveito por anos a fio dos mesmos fatos, é um dom, só para quem pode.
As vezes, em certas situações, me pego ranzinza comigo mesma mediante a certas situações e daí percorre um calafrio por minha espinha. Então, busco novas possibilidades, procuro saídas, peço conselhos e ajuda, se preciso tomo banho de sal grosso, faço simpatia ou até reza para algum santo milagreiro. É que particularmente, fico entediada com a mesmice, não que seja do tipo que goste de aventuras radicais, mas ficar só no basicão me deixa melancólica.
Ouvir pessoas vale a pena ver de novo também é um ato de muita coragem e porque não dizer de sublime caridade? Afinal, cá entre nós, tem que ter muita calma nessa hora. É como ouvir a mesma piada do seu tio bêbado em toda festa de família, as primeiras vezes tem graça, depois começa a incomodar e no final das contas você está com vontade de torcer o pescoço daquele pobre infeliz. E independente de qualquer coisa, ele vai continuar com isso sempre. Pois, avalie, existe algo em comum nessas pessoas: elas ignoram qualquer conselho ou socorro oferecido. Não tente perder tempo se esforçando em encontrar soluções, se você quer agradar, escute e muito. 
Assim sendo, tranqüilidade. Esta, provavelmente, é uma arte ainda incompreendida pela maioria de nós. Então, enquanto vamos seguindo a vida conquistando novos ares, tentemos compreender esse ciclo imutável e vicioso que acompanham as pessoas vale a pena ver de novo. Pois isso deve ter alguma incrível vantagem que meros ignorantes, como eu, não captam, do mesmo modo que alguns outros não vislumbram que é bom crescer, mesmo levando alguns tombos por aí, guardando as lições e descartando os rascunhos e lixos, para no final, evoluir. 

2 comentários:

Tyago de Paula Ferreira disse...

Achei legal você dizer que é uma arte. Uma arte justa. rs

:)

henrique menna disse...

Olá adorei o post, e já estou seguindo, se der me segue http://cidadedosolmanoelviana.blogspot.com.br