terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Na cama

Ele levantou e foi ao banheiro, ela ocupou o outro lado da cama, puxou o lençol para cobrir suas pernas. Na tv uma mulher gemia aos berros. Ela suspirou e sentiu como se tivesse comido chumbo. Acarinhava-se em ilusões inúteis cheias de possibilidades inexistentes com alguém vazio em ligações. Suspiro triste e resignado pela condição. Enfim, será que estaria fazendo o correto? Tornar-se gelo não era uma questão de escolha, era uma questão de treino, e ela ainda era novata.

2 comentários:

Armindo Kehl disse...

Olá! Adorei o seu modo de escrita, simples, descompromissado, e com sentido profundo. Gosto disso. Histórias curtas com grandes significados... Estava um pouco afastado das coisas por aqui, não tinha conhecido seu espaço ainda... Mas pode ter certeza que agora arrumou um novo leitor...

Forte Abraço!

Giovana Vincenzi disse...

Faço minhas as palavras do Armindo: escrita simples, direta e profunda!